domingo, 12 de outubro de 2008

Um dia de fúria


Sexta- feira dia 10/10/2008, presa num engarrafamento na Praça Panamericana dentro de um taxi com um motorista psicopata e duas crianças inocentes e um taxímetro pulsando como um coração de atleta.
Alguns quilômetros dali, meu marido preso dentro do seu carro desistia de nos resgatar.
Nesse conjunto caótico faziam parte também: um abafamento climático típico das 11:00 hs da manhã, uma ligação feita por mim para minha irmã que aguardadva opinião médica sobre um exame de imagem, o psicopata querendo arrumar encrenca com uma mulher aparentemente masculinizada que o fechou numa mudança brusca de faixa, as crianças perguntando o tempo todo por quê demorava tanto para chegar na casa da vovó.
Assim que me livrei do tal motorista, saí apressadamente para a busca de um documento que era o motivo principal da minha odisséia para São Paulo. Nesse trajeto , ouvíamos notícias pelo rádio sobre a crise mundial e a greve dos bancários que me dava uma certa sensação de ser absorvida por uma grande "Bolha Assasina". Chegada a tão esperada hora, nos deparamos com um agente da Polícia Federal mostrando nos nossos importantes papéis que ainda faltavam duas horas para a retirada da p* do documento. Depois de esperarmos resignadamente pelo precioso horário da libertação, me olho naquela foto tão sincera, mostrando o quanto o tempo passou do último passaporte tirado para fazer a primeira viagem à Europa.
Corpo reclama de doses cavalares de adrenalina, cortisol e outros hormônios desconhecidos por mim.
Bjs
Clau

Um comentário:

Ana disse...

Olá, tudo bem?!

Olha eu adorei o seu blog... muitas coisas lindas. Parabéns!!!

Me fala uma coisa, essa melissa vermelha transparente é que número??? Tem alguém na fila???Tava querendo comprá-la.
Meu e-mail: aninhaara@hotmail.com

Desde já
obrigadinho.